24-12-18

Silva, como não te amar?

Eu ia fazer lamúrias sobre o meu outro sumiço, um postzão quase que depressivo, beirando a melancolia. Mas decidi que de nada adianta se lamentar, e que ficar lamurizando tudo

No, dia 16 de dezembro, aconteceu o Festival Nômade, patrocinado pela Privália, aqui em São Paulo. A céu aberto, o evento contou com grandes nomes da música brasileira, como 5 a seco e Lulu Santos.

Mas hoje, eu estou aqui para falar do meu cantor brasileiro preferido. Ele, o muso: Lúcio Silva de Souza, ou simplesmente Silva. Sendo bem sincera, eu comprei o ingresso desse show por ele mesmo.

Talvez você o conheça por um das suas participações: seja com a Clarice Falcão, Fernanda Takai  ou Anitta. Mas, já eu, a primeira vez que ouvi falar sobre ele, foi em 2013, já que a um ano atrás ele havia lançado seu primeiro álbum: Claridão. No ano seguindo, em 2014, Silva participou do Lollapalooza e eu pude ver ele cantando ao vivo pela primeira vez, e cá entre nós, foi um dos melhores shows que assisti. Como o moço não era muito reconhecido, acabou sendo um show bem vibes, que deu para assistir sentada na grama. Daí em diante, o amor só foi aumentando.

Após Claridão, de 2012 vieram mais dois álbuns: Vista para o mar (2014) e Júpiter (2015). Mas acredito que o moço passou a ser mais reconhecido quando reuniu em um álbum clássicos da Marisa Monte, em Silva Canta Marisa (2016). Em seus três primeiros álbuns, a gente pode notar um toquinho mas americanizado. Mas singelo 2018, que quase foi uma total desgraça, Silva chega para salvar o ano com seu álbum Brasileiro.

Silva é a pessoa que meu sonho é guardar em um potinho. Eu tenho minha crença que a expressão “Que homem” foi criada pós-Silva. Você pode escutar esse maravilhoso no seu canal oficial, no spotify e nas plataformas de streaming tudo!

Então, se você ainda não escutou Silva, faça-me o favor! Se já escutou, qual é sua música preferida?