13-02-18

Para se ler compulsivamente: Aos perdidos, com amor

Livro Aos Perdidos, com Amor

A gente sempre escuta que não devemos julgar um livro pela capa. Pois foi exatamente o que eu fiz com Aos Perdidos, com Amor.

Quando comprei “Aos perdidos, com amor”, de Brigid Kemmerer, foi um dia que eu ia passar horas no ônibus, e cá entre nós: eu queria algo meio mamão com açúcar, docinho e acertei em cheio na escolha. A história me prendeu tanto, que terminei em dois dias.

Aos perdidos com amor, é o primeiro livro lançado em português de Brigid Kemmerer pela Plataforma 21. Brigid tem obras dedicadas a jovens, e este livro não é diferente. Aos perdidos, com amor é narrado por dois personagens diferentes: Juliet Young e Declan Murphy. A autora, acerta em cheio ao fazer isso, pois consegue dar cor e forma diferentes para ambos os personagens.

Se Juliet Young fosse uma cor, eu tenho certeza que ela seria cinza. Juliet perdeu a mãe pouco mais de x. E, apesar de a primeira instância, todos a terem compreendido, agora, todos esperam que ela volte a ser a Juliet de antes: vivida e cheia de cores. O que a mantém sua sanidade é escrever cartas para a sua mãe, hábito que Juliet manteve mesmo com a morte de sua mãe, pois como sua mãe era uma renomada fotografa e mal ficava em casa, trocar cartas deixava a relação mãe e filha viva, mesmo com a distância. Ela passa horas a fio no cemitério, escrevendo cartas que teoricamente não seriam lidas… Porém Declan Murphy não é lá uma pessoa que segue muitas regras de etiqueta.

Declan Murphy, aparentemente é o típico jovem rebelde, que as pessoas esperam que ele não faça a coisa certa. O que ninguém sabe, é tudo o que ele já passou em sua vida, e como atrás dessa aparência de durão, tudo o que ele tem é um coração puro. Porém, Declan cometeu um crime, e foi condenado a prestar serviço comunitário… No cemitério.

O destino prega peças, não é mesmo? Quem diria que logo Juliet, iria se juntar com o mais durão da escola?

Apesar de nem Juliet e nem Declan saberem quem é o seu remetente anônimo, ao leitor essa informação é dada quase que imediatamente. O livro tem uma linguagem fácil e jovial. Sua leitura flui, e apesar de ter exatas 450 páginas, é um livro de leitura fácil. Muitas vezes, eu mesma estava curiosa e fui lendo de pé no ônibus.

Se você está procurando um livro que te prenda, e que seja fácil de ler, aconselho MUITO Aos Perdidos, com Amor. Pelo o que eu pesquisei, o lugar que me custa menos golpinhos é na Saraiva.

Se ler, deixa aqui embaixo o que achou?

 

9384693014